Medo do Fracasso: Aprenda como lidar

Uma grande dúvida tem chegado até mim nos comentários das redes sociais. É sobre o que se dedicar como profissão e o constante medo do fracasso naquilo que você faz.

O medo de errar está muito ligado a forma como fomos ensinados a nos construir. Muitas pessoas já devem ter te falado ou até continuam te dizendo: “Você tem que encontrar o seu ‘eu’, ser isso ou aquilo, ou pior, tem que ser o primeiro, o melhor de todos.”

Não é bem assim!

Primeiro que ninguém identifica o seu próprio ‘eu’. Nunca vi ninguém que tenha se defrontado com o seu próprio ‘eu’, e segundo que ser o melhor é algo relativo e não sustentável. Isso eu já ouvia na década de 80 e repito, mais nos confunde do que ajuda de fato.

Foi este tipo de estímulo — oco, vazio — que nos conduziu ao que vemos hoje. Pessoas insatisfeitas com os seus trabalhos, uma enorme desmotivação nas organizações, ansiedade e até casos de burnout, que é a exaustão extrema. Você pode pesquisar esses conteúdos no meu canal.

Desde os meus primeiros vídeos no Youtube, há 5 anos, eu sempre busquei atingir um principal objetivo: preencher um vazio que existe em todos nós em dois momentos das nossas vidas: nas nossas mais importantes escolhas e na solidão da jornada profissional, quando precisamos tomar decisões importantes e ficamos sozinhos, não tendo quem consultar.

É o que eu também senti na pele, durante muitos anos: ter de perseguir o papel de herói invencível e a falsa impressão de que, se eu fracassar, vou estar fatalmente derrotado. Parecia que o fracasso seria como um cartão vermelho definitivo para eu ficar de fora do jogo. Mas não. Não! Temos que vencer essa ideia devastadora, renitente, que ainda ameaça as nossas carreiras e até a nossa felicidade.

Veja, como eu falei, não é preciso correr atrás de compreender o seu ‘eu’ e tampouco seguir a trajetória do herói. É mais importante correr atrás para identificar e se concentrar no que você tem uma verdadeira paixão por fazer — isso já é mais de meio caminho andado.

Agora, eu te digo: se houver dificuldades e fracassos nessa sua jornada, não pense que está tudo acabado. Não! A sua história vai continuar, mesmo depois de um eventual fracasso, e ainda melhor do que antes. Isso sim é importante!

Se você falhar na segunda ou terça-feira, enfim, está tudo bem — afinal, fracassos são experiências. Sabe qual é a única forma de você fracassar mesmo em definitivo? É se você decidir que não quer mais progredir dali por diante. Ou seja, é desistir.

Para mim, a melhor frase de Thomas Edson, o inventor da lâmpada é: “Eu não falhei. Eu encontrei no caminho 10 mil maneiras que, agora, sei que não funcionam.”

Eventualmente, você pode ter lido os livros ou assistido aos filmes da série Harry Potter, da autora J. K. Rowling. Ela escreveu a sua primeira novela em cafés de Londres, enquanto a sua filha dormia em um carrinho ao seu lado. Gosto muito deste hábito de trabalhar eventualmente, em cafés. Mas, depois disso, sem dinheiro, os seus manuscritos ainda foram rejeitados por vários editores.

Contudo, imagine só! Ninguém de antemão diria que essa seria a fórmula do sucesso para que ela chegasse a vender 500 milhões de livros. Parecia um fracasso em definitivo, mas ela se concentrava no que queria ser.

Dessa forma, não se preocupe com o que não importa.

Na verdade, não precisamos ser igual a ninguém, pois o sucesso pode vir de muitas formas. Alguns tipos de sucesso são incrivelmente impressionantes, como os que você assiste na TV. Mas outros são simples e inusitados, enquanto outros, ainda, nascem de coisas inacreditáveis. O importante mesmo é a sua própria definição de sucesso.

Somos todos diferentes. Talvez você pense: “Falta-me o talento inato”.

Todavia, pergunte-se somente isso: “O que me separa hoje do que seria o sucesso para mim?”

Bem, objetivamente responda: “O que me falta?” Escreva.

Na grande maioria dos casos, não há nada que você não possa superar apenas com tempo e dedicação.

Planejamento e organização.

Mas há três coisas importantes que eu preciso te lembrar, são elas:

  1. Ponha em linha o que você quer fazer e onde deseja estar. Isso tem que estar em harmonia. Encontre a qualificação certa, aquela que te dará uma maior satisfação e alinhe com o papel que você deseja desempenhar. Pode ser que você me pergunte: “Mas que papel é esse que você se refere?” É aquele que você imagina que te dará mais satisfação e que te fará ser reconhecido (a) por um determinado público, porque todos nós gostamos de reconhecimento e de elogios, além, é claro, de sermos bem recompensados (as);
  2. Procure estar com as pessoas certas, onde quer que você possa se desenvolver. Uma rede de pessoas que seja estimulante para você ou uma organização que incentive o desenvolvimento das pessoas;
  3. Procure manter a energia positiva na sua jornada enquanto estiver se desenvolvendo e, mais do que isso, perdoe-se pelas falhas inevitáveis, superando-as, mas sem nenhum arrependimento, pois isso também faz parte da jornada.

Afinal, quando você alinhar o que mais valoriza com as suas habilidades, e encontrar o lugar e as pessoas certas, isso vai criar um círculo virtuoso. Você cria uma força poderosa que envolve os outros, emocionalmente, e que também retorna para você, construindo aos poucos as suas melhores realizações.

E claro, fica longe daquele medo constante do fracasso.

Veja mais, como superar o fracasso e moldar o seu sucesso:

Fuja de organizações que te levem para baixo ou que não te ajude a se desafiar para dar o melhor de si para você mesmo (a) e para os outros. Esse é um equilíbrio que você precisa começar a encontrar.

Veja que falamos de identificar o que você tem paixão por fazer, encontrar as pessoas certas e localizar o ambiente em que você deve estar. Eu me refiro aos ambientes responsivos, que interajam com você, que permitam a diferença entre as pessoas, a coexistência e o incentivo ao pensamento crítico construtivo.

Contudo, falo de trabalhar com as pessoas certas porque a convivência harmoniosa nas organizações nos traz felicidade — e a felicidade, segundo o pesquisador Shawn Achor, é o que te ajudará a moldar o seu sucesso.

Para finalizar, eu trago uma frase do professor José Hermógenes. Seus livros me ajudaram muito no passado. Ele disse: “Você não tem que ser melhor do que as outras pessoas. Você tem que procurar cada dia o seu melhor e, assim, ser melhor para as outras pessoas”.

Vá em frente!

Conheça o meu curso: Liderando com inteligência Emocional. Basta clicar aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

O que você procura?

Sobre João Francisco

O termo Impact Player nasceu do esporte, sendo associado a jogadores que fazem a diferença apenas por estarem em campo, capazes de elevar a confiança de um grupo com sua presença. 

Ou seja, um Impact Player é aquele que faz jogadas individuais incríveis, no entanto, seu principal valor está no papel estratégico que exerce sobre o seu ambiente, no momento em que sabe que o sucesso não é alcançado repentinamente.

Posts recentes

Posts populares