Skip to content

3 hábitos para desenvolver a sua Inteligência Emocional

Lembra que num vídeos anterior, eu simulei um cenário crítico para você?

Eu falava de hábitos para desenvolver a sua inteligência Emocional.

Criei uma situação em que você vinha andando pela rua e de repente se deparava com um cão latindo, vindo em sua direção.

Parecia que iria atacar você.

Neste, mostrei que, todo um sistema complexo de sobrevivência se mobilizava automaticamente em seu corpo.

Eu aposto que você não se esqueceu. Mas agora tenho novidades!

Quero perguntar: sabe quem acionou todo esse processo para você?

Foi o seu sistema rápido.

E é aqui que tenho que falar para você sobre Daniel Kahneman, que conquistou um prêmio Nobel de economia.

E repare, ele não é um economista e sim um psicólogo.

Eu não quero aqui confundi-lo com o Daniel Goleman, que é o guru da Inteligência Emocional.

Como ia falando, Kahnemam facilita muito essa compreensão do stress para você ao afirmar que a sua mente é dividida em 2 sistemas:

Um rápido e outro devagar.

O seu sistema rápido

O sistema rápido é aquele que leva você a agir automaticamente como no caso do cão.

Tem respostas imediatas, sem o esforço “do pensar” e sem se preocupar com as consequências.

Ele se utiliza muito da intuição e da emoção. E é muito convincente para nós.

Exemplo: 2+2?

Você pensaria em outro número que não fosse 4?

Você nem parou para pensar e mesmo assim, como que num reflexo, esse número aparece em sua mente.

Enfim, é um sistema automático.

O seu sistema devagar

Agora peço que você multiplique 38 x 257 !

Percebeu, neste caso não há uma resposta automática.

Você não precisa calcular para mim.

Eu só quero que você compreenda que há outro sistema  (e só mais este…) que é o sistema devagar.

E este age sob sua demanda, precisa que você o chame para a ação.

Este, para mais para pensar, usa a lógica e precisa que você tenha foco.

Pense mais nesse exemplo clássico:

Quando você começa a aprender a dirigir, inicialmente utilizará o sistema devagar.

Isso porque precisará seguir uma metodologia que você não ainda não conhece e dominar as técnicas próprias do que é necessário para dirigir.

Mas quando já passa a dominar o correto uso das marchas, do freio, da direção e do acelerador, esta é a hora de mudar.

É quando então – automaticamente – entra em cena o sistema devagar.

É como se dialogassem e um sistema dissesse para o outro:

“ok, já entendi todas as operações para você e agora eu quero descansar e você deve assumir o comando”.

O que os dois sistemas tem a ver com a Inteligência Emocional?

Claro que você me perguntará: Mas qual a relação disso com a Inteligência Emocional?

Bem, agora então, vamos recorrer aos ensinamentos do Goleman.

Eu associei este tema com o da Inteligência Emocional, que é o meu grande compromisso com você.

Você agora já sabe que diariamente lida com estes dois sistemas: Rápido que vamos chamar de no. 1 e o Devagar, que será para nós o no. 2.

Imagine agora você diante de uma hipótese no seu cotidiano profissional ou pessoal:

Está com compromissos de reuniões que você já sabe que serão daquelas intermináveis.

Tem também que apresentar hoje os indicadores do mês e as metas não foram alcançadas.

Decorrente disso, está se desenvolvendo também um possível conflito profissional que nada irá ajudar nesse momento.

Bem, diante desses desafios e obstáculos, qual o sistema que você estará mais propenso a utilizar?

O 1 ou o 2?

Ser puramente emocional, racional ou os dois?

Veja, quando nos encontramos em situações onde tudo flui com facilidade e as percepções são claras e as respostas que devemos dar podem ser as habituais, podemos ter segurança no sistema 1.

Mas quando você está diante de um possível conflito ou uma determinada situação não se encaixa num padrão, temos que utilizar o sistema 2.

Ou seja, devemos evitar agir automática e precipitadamente porque neste caso, a situação exige muito mais concentração de você.

Precisará ter foco e usar de raciocínio lógico para resolver o problema.

Percebeu? Os dois sistemas são ótimos naquilo que fazem.

Qual o seu papel central?

Mas o seu papel central é de se tornar cada vez mais autoconsciente do que vai entregar a um e ao outro?

E é por isso que você terá que dominar muito mais as suas emoções.

É que deixar-se levar inconscientemente, sob o domínio do seu sistema 1 estará na defensiva, na negatividade, na ansiedade e stress.

Essa foi a sua pergunta mais frequente para mim nos comentários.

E só quando você consegue o senso de autocontrole é que começará a pautar suas decisões com bases mais conscientes e positivas.

Se você concorda com o pressuposto que qualquer relação é sempre uma ligação emocional, isso leva você a refletir melhor sobre como se aproximar e impactar mais assertivamente as pessoas.

E veja que tem sentido e será sempre um grande desafio para você essa compreensão.

E se você compreendesse que o outro também está numa situação semelhante?

E sabe o por quê?

É que as pessoas também estão submetidas a mesma complexidade dos seus processos mentais, os mesmos dilemas com que você lida internamente.

Lembra-se que recomendei muito a você, num dos vídeos anteriores, a evitar logo sair correndo de manhã para o trabalho?

E tem uma razão.

É para você refletir com antecipação sobre o dia que virá, os compromissos e as pessoas com quem se relacionará.

Pois é, neste caso alerto você a se ligar mais no seu sistema 2.

E para ajudar você ainda mais, veja mais 3 hábitos para desenvolver ainda mais a sua Inteligência Emocional:

O seu primeiro hábito das manhãs

Pense no seu cardápio de tarefas.

Para realizá-las com quem você irá se relacionar?

Antecipe-se e evite que seu sistema 1 leve você a tomar decisões automáticas e precipitadas.

Ex. Você sabe que o dia a dia pode trazer situações boas e crises também acontecem.

Imagine-se agora: você deve ser a consciência central para decidir a cada momento quando é melhor utilizar um ou outro sistema.

Claro que isso também dependerá do grau de exigência dessas ocorrências.

Naquele exemplo em que um cão ameaça você, você não irá sentar para planejar a melhor saída, não é?

Não seria sensato.

Neste caso, o seu sistema 1 é perfeito.

Por outro lado, quando rotulamos uma pessoa – antes mesmo de a conhecermos – estamos utilizando o sistema 1 de forma equivocada.

Se você interagir um pouco mais a ponto de conhecer mais o outro – fazendo entrar em cena o sistema 2 – você terá muito mais elementos para tirar conclusões.

E a sua assertividade sobre habilidades dessa pessoa, seus reais interesses e desejos serão muito maiores.

Em casos como esses eu recomendo a você se colocar numa posição de aprendiz diante do outro.

Dosando as suas expectativas na medida certa, identificará outras perspectivas muito mais reais e possíveis de serem alcançadas.

O seu segundo hábito das manhãs

Como superar eventuais crises e conquistar o que você quer da outra pessoa mesmo em situações difíceis?

Nos relacionamentos diários a recomendação é que você conte sempre até 10 e faça entrar em ação o seu sistema 2.

Esse fará a devida reflexão e análise antes de qualquer decisão.

Você já viu que esse sistema é preguiçoso e necessita de esforço seu para pô-lo em ação.

Só assim tomará as rédeas das mãos do sistema 1, que é nervoso e tem muita predisposição para logo entrar em ação.

Porém, ao tomar rápidas decisões, logo julgar, logo enquadrar as pessoas, pode por tudo a perder.

Então refletir antes de sair para o trabalho em cada situação particular é uma ótima dica.

Pense nisso!

O seu terceiro hábito das manhãs

Faça um pré-mortem*.

Depois de você refletir pela manhã, ter montado o seu plano rápido de 10 minutos, como recomendei no outro vídeo você está “quaaase” preparado.

Falta pouco. Só mais 5 minutos.

Esse tempo é para você se perguntar:

E se isso que planejei para o dia de hoje der tudo errado?

O que eu faria?

E pense então num plano B para você neste curto espaço de tempo.

No dia seguinte, avalie-se e repita a operação.

Bem, esse tema não finaliza aqui.

Sei que há muito mais sobre a inteligência emocional.

Mas eu peço que você comente sobre este vídeo até porque combinei 2 livros e fiz recomendações da minha própria experiência para você

Para continuarmos gostaria muito da sua opinião sobre os impactos que – porventura –  tenha provocado em seu cotidiano.

Eu vou estar curioso e atento aos seus comentários.

Nota:

*Pré-mortem: Como se sabe, projetos falham todos os dias pelos mais variados motivos. O pré-mortem é você mesmo imaginar o que faria se o seu projeto desse errado. ( ou seja, você imagina uma morte antecipada do seu projeto). Assim, as chances de você acertar são muito maiores porque você sempre tem um plano B.

Caso você deseje ir – aos poucos montando a sua biblioteca – aqui estão os links para a aquisição dos livros:

Rápido E Devagar do autor Daniel Kahnemam e Inteligencia Emocional de Daniel Goleman. 

Vá em frente!

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Podemos Ajudar?