Skip to content

Aprenda a utilizar a linguagem persuasiva da maneira correta  

Você lembra que tenho ressaltado que a sua linguagem pode ser um gatilho poderoso? Pois é, curioso que até o poeta português Fernando Pessoa já dizia: “a linguagem fez-se para que nos sirvamos dela, não para que a sirvamos a ela”. E, claro, não se trata somente do que você diz, mas também do que escreve!

Se você quer persuadir, mais do que convencer, é essencial aprender a linguagem persuasiva. E isso vai além de decorar palavras chaves aleatórias ou frases de efeitos tidas como mágicas.

Primeiro deixe-me rapidamente comentar sobre o cérebro. Ele é dividido em três partes:

1- a dos instintos e impulsos,

2- a das emoções e desejos

3- a racional e lógica

Mas não pense que são partes separadas. Elas interagem e se integram no processo de tomada de decisão. Afinal, você pode até ter um argumento lógico e convencer a pessoa de algo que ela precisa executar, Mas dependendo da forma como você diz pode não ativar a parte emocional essencial para a persuasão. Por isso, um bom relacionamento depende de que essas três partes consintam e não entrem em conflito.

Parece complicado, né? Calma. A seguir, você vai conhecer maneiras de deixar essa processo bem mais simples.

Os 4Cs da linguagem persuasiva

O bom uso da linguagem persuasiva faz com que o locutor controle o processo de interação, levando o persuadido a acreditar que se convenceu por si mesmo. Para alcançar isso, é bom ter em mente quatro fatores:

  • Credibilidade: o persuasor precisa dominar fatos, testemunhos e provas que mostrem ao persuadido que aquilo que ele propõe é verdadeiro.
  • Coerência: é importante que o discurso seja lógico para que a argumentação seja convincente.
  • Consistência: em tempos de internet e redes sociais, não adianta mentir ou mudar o discurso a cada segundo. As pessoas estão mais ligadas do que nunca e vão perceber se aquilo que você diz hoje se opõe ao que você dizia ontem.
  • Congruência: produzir exatamente aquilo que os outros imaginam e esperam de nós. Sua atitude deve combinar com o seu discurso.

Como empregar de forma correta a linguagem persuasiva no dia a dia

É possível, através da escolha do discurso, indicar ao interlocutor métodos de raciocínio que o levam a chegar à conclusão desejada na persuasão. Os dois métodos mais comuns são a indução (parte do particular para o geral) e a dedução (parte do geral para o particular). Vejamos um exemplo de dedução que poderia ser utilizado em campanhas publicitárias para bebidas sem açúcar ou com conceito saudável:

  1. Açúcar refinado faz mal à saúde. (Veja: partimos de uma verdade universal e bem conhecida de todos, não é necessário provas adicionais).
  2. Refrigerantes tradicionais contêm muito açúcar. (Outro fato, basta ler rótulos).
  3. Portanto, refrigerantes fazem mal à saúde.

A partir daí, pode-se trabalhar outros recursos que funcionam bem para a linguagem persuasiva e contribuem para a eficácia da mensagem final. Entre eles:

  • As figuras de linguagem, como comparações, analogias, hipérboles e eufemismos. No caso da bebida, por exemplo, pode-se dizer que “a fruta vai literalmente da árvore para o seu copo”. Sabemos que isso é uma hipérbole, um exagero, visto que nenhuma fruta pode ir literalmente da árvore para um copo sem passar por algum tipo de processo industrial. Mesmo que o interlocutor esteja ciente disso, ele cria uma imagem de frescor e saúde desejada pelo persuasor.
  • O uso do modo imperativo dos verbos. Em vez de perguntar “você gostaria de experimentar para ver se gosta?” vá direto ao ponto e diga “experimente e veja como é delicioso.”
  • E emprego de trocadilhos e jogos de palavras. Aí, vai da criatividade do persuasor, mas uma boa “tirada” ou frase de efeito ficam “grudadas” na mente das pessoas. De repente e às vezes sem querer, elas se veem pensando naquilo, como se as três partes do cérebro estivessem em sintonia, sinal de que a linguagem persuasiva foi empregada de forma correta e funcionou.

E você, conhecia essas táticas de persuasão? Ficou interessado em saber mais? Assista ao meu novo curso “Persuasão e influência: a arte de conquistar o SIM”. Depois me diga o que aprendeu!

 

Até a próxima!

João Francisco

 

1 Comment

  1. Excelente artigo professor ! Tento sempre que possível aplicar estes conceitos no dia-a-dia, seja nas vendas ou mesmo em minha profissão, de notável eficiência e sagacidade!


Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Podemos Ajudar?