Skip to content

Inteligência emocional: a arma para vencer a autossabotagem

Há pessoas que são inteligentes e têm uma grande rede de contatos, mas ainda assim, não conseguem progredir em seus objetivos. Normalmente, pensam que isso é falta de sorte ou culpa de um fator externo — porém, na maioria das vezes, são elas mesmas que se autossabotam. Desenvolver inteligência emocional é o melhor caminho para vencer a autossabotagem e alcançar o que se deseja.

Para ficar por dentro do assunto, confira o post de hoje!

O que é e como identificar a autossabotagem

A autossabotagem é um medo irracional de tudo, tanto de vencer, quanto de fracassar, deixando a pessoa paralisada. Por não ter autoconfiança, o indivíduo acaba não fazendo nada e culpa diversas situações externas.

Existe uma série de comportamentos comuns entre aqueles que se autossabotam. O primeiro é se cobrar demais: sempre aparece aquela voz na sua cabeça dizendo que você não é bom o suficiente. Da mesma forma que a pessoa é perfeccionista consigo, ela exige perfeição dos outros e, assim, se frustra quando alguém não age da maneira esperada.

É comum que o indivíduo que pratica autossabotagem se coloque no papel de vítima e culpe fatores externos pelo próprio fracasso. O autossabotador não sabe dizer “não”: na tentativa de agradar os outros, se anula por medo de dar uma resposta negativa a alguém e ser rejeitado. Outra característica é a procrastinação, deixando sempre tudo para a última hora.

Habilidades para vencer a autossabotagem

Segundo o psicólogo e jornalista Daniel Goleman, autor do livro “Inteligência Emocional”, existem algumas competências iniciais que ajudam o indivíduo a parar de se autossabotar.

A primeira delas é buscar o autoconhecimento. Saber quais são suas limitações, o que o motiva e o que o incomoda é fundamental para lidar com o mundo externo. Outra habilidade importante é ter controle sobre as emoções: isso ajuda a enfrentar melhor os conflitos e encontrar soluções com facilidade.

A terceira competência é a automotivação, isto é, saber direcionar as emoções para um objetivo e focar naquilo até conseguir. Além disso, outro fator importante é a empatia — se colocar no lugar do outro e tentar entender o lado dessa pessoa. Por último, está a clareza na comunicação: saber usar bem as palavras e ser compreendido com facilidade.

Todas essas habilidades são desenvolvidas com o tempo e por meio de empenho para conquistá-las.

O desenvolvimento da inteligência emocional

Muitos dizem que externar a raiva ajuda a aliviar o estresse, mas isso não é verdade. As explosões de ira não trazem calma e podem até prolongar o mau humor. Além disso, quando estamos bravos, a tendência é falar sem pensar, transformando, muitas vezes, pequenos mal-entendidos em grandes confusões.

Quando estiver irritado, respire fundo, tome um banho, caminhe… Praticar exercícios aeróbicos também ajuda a aliviar o estresse. Procure desviar o seu pensamento daquilo, até a situação esfriar e poder analisar tudo com mais clareza.

Aprendizado nos momentos tristes

Momentos tristes são oportunidades para refletir e tomar decisões importantes. A tristeza só se torna nociva quando nos entregamos totalmente a ela.

Quando estiver triste, tente enxergar os lados positivos e quantas lições aquela situação pode trazer. Pense no que pode melhorar, entenda o que limita você. Procure alguma atividade de seu interesse e pratique-a com regularidade — isso vai ajudar a distrair o pensamento e retomar o ânimo.

Os males da preocupação em excesso

A preocupação é importante para encontrar soluções, mas quando ela é excessiva, o medo e a angústia tomam conta do nosso cérebro. Ficamos tão obcecados em resolver um problema que o desgaste chega antes da solução.

Existem situações que não dependem só de você para serem resolvidas. Quando se deparar com um problema que não pode ser solucionado de imediato, tenha a consciência de que ninguém tem controle de tudo. Distraia a cabeça e procure relaxar, por mais que seja difícil.

A mania de se autossabotar prejudica muitas pessoas diariamente, tanto em questões pessoais, quanto no desenvolvimento profissional. Não se compare aos outros, deixe o medo de lado e, assim, você vai conseguir desenvolver sua inteligência emocional, vencer a autossabotagem e obter sucesso.

Gostou do post? Então compartilhe com seus amigos em suas redes sociais!

2 Comments

  1. Excelente. Identifiquei-me. Pela primeira vez tive a autoconsciência de alguns comportamentos e suas consequências para o meu desenvolvimento pessoal e profissional. Gratidao por essa consciência.

    • É assim mesmo. Primeiro tomamos consciência de nós e depois vamos mudando para melhor dia após dia. Vá em frente!!


Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
Podemos Ajudar?